quarta-feira, 16 de abril de 2014

As maiores bandas da Suécia

  Coisas nunca ditas sobre a música sueca. Do Black Metal ao Pop.

   Um festival como o Rock In Rio celebra velhos clássicos, consagra novos e apresenta apostas de bandas que poderão vir ocupar esse patamar. E se teve uma banda que contou pontos, ampliou seu público e fortaleceu seu nome como candidata à desfilar no roll das bandas clássicas, essa banda foi o Ghost B. C.  Não conhecia. Quando vi os caras no palco e antes em entrevistas com o público usando máscaras e fazendo referência à um tal de Papa Emetitus achei graça. "Mais uma banda tosca pra adolescentes", pensei. Entretanto, depois de ouvir o som dos caras não achei tão ruim. Até achei interessante a mistura do gótico/pós-punk ao metal não muito agressivo e pesado que eles apresentaram. Uma das poucas a trazerem alguma novidade no
festival e no metal dos últimos anos. Somando isso a toda a controvérsia causada pelo seu visual, que eu acho um tanto cômico, e sua postura dita satânica, penso eu que os caras podem sim ainda dar muito o que falar, mesmo que seja só marketing. E se assim for, ela pode vir a se firmar como um dos grandes nomes do metal atual e se consolidar como clássica pra toda essa geração que tá descobrindo o metal agora.
   E a Ghost B. C. além de me suscitar essas reflexões que acabo de apresentar me inspirou também e especialmente a fazer este post. Quando constatei que os caras eram suecos, me peguei imaginando que outras bandas vindas da Suécia eu conhecia. O resultado desses devaneios me pareceram que renderiam um post para o blog e pois bem, eis-me aqui escrevendo isso e trazendo minha perspectiva sobre as principais bandas oriundas dessa parte do loiro, extremo e gelado norte do mundo:



ABBA - Com certeza a banda sueca mais famosa de todos os tempos! Deve ser difícil, mesmo hoje, encontrar alguém que não conheça pelo menos o mega hit do grupo Dancing Queen. Clássico impreterível em qualquer festa retro/flash back. Uma das bandas mais emblemáticas da era Disco 70's continua conquistando novos fãs graças a músicas inspiradas, com melodias grudentas e ricos arranjos. Gosto de dizer na mesa do bar, para polemizar, que a melhor banda dos 70's não foi o Led, nem o Deep Purple e nem o Pink Floyd, foi o ABBA! E desde que me livrei do fundamentalismo musical toda vez que toca um som deles numa festa eu alucino, quem não me conhece jura que eu sou gay.


Roxette - A dupla fez um puta sucesso entre o fim dos anos 80 e o início dos 90, marcando demais exatamente o início da minha adolescência. Nas festas da escola nunca faltavam The Look ou Joyride e eu desde cedo metido a roqueiro (fundamentalista) quase deixava transparecer algum deleite quando tocava Roxette, mas me segurava e permanecia imóvel, o maior movimento que fazia era tomar mais um gole de refrigerante.
   Agora, cruel mesmo era no final da festa quando tocava alguma balada como It Must Have Been Love ou Listen To Your Heart. Nessa época consumava-se dançar coladinho quando rolava música romântica. Sempre tinha uma gatinha que o cara tava de olho, e sempre dava vontade de chamá-la pra dançar. Mas obviamente, o convite jamais acontecia, era uma coisa muito besta, brega, chamar uma menina pra dançar ainda mais pra quem se achava todo roqueiro. Além disso, só de pensar dava um frio na barriga, para usar um eufemismo para pavor obsessivo. E a merda é que sempre tinha um filha da puta que convidava bem a menina que vc tava de olho e ainda botava a mão na cintura dela e/ou colava o sua cara no rostinho da gata. Como isso dava raiva!


Ace Of Base - Se o Roxette marcou o início da minha adolescência o Ace fez parte do seu auge, mas não me marcou não. Como disse antes, na época do Roxette eu andava me envolvendo com a causa roqueira, e quando o Ace of Base estourou ali por 93 mais ou menos, eu já havia me transformado no tipo de metaleiro mais ortodoxo que vc pode imaginar, coisa que não existe mais hoje em dia. Só andava de preto, só ouvia metal pesado, não tomava banho e tinha um cabelo grande que era como um Black Power Fail, se é que vc me entende. Nesse tempo ser metaleiro era ser do mal mesmo!, ou pelo menos havia um certo deleite em passar essa impressão para a sociedade capitalista porca e decadente. Hoje é bem diferente. Até é uma coisa bem bacaninha ser do metal, passa até no Jornal Nacional. E se vc quiser ouvir um som do Ace Of Base para conhecer ou relembrar escute essa All That She Wants.


Europe - Uma das bandas mais emblemáticas do hard rock farofa dos 80's, uma das poucas do estilo que não é americana, esses caras entre uma balada arrasa quarteirão e outra, daquelas bem no estilo trilha sonora de par romântico de novela das 8, conseguiram produzir uma música que é um dos maiores clássicos do hard rock de todos os tempos, uma música, eu diria irretocável. Trata-se do ultra mega hit The Final Countdown. Até hoje quando essa música toca eu não me seguro e tenho que levantar os dedos para o ar para tocar um teclado imaginário acompanhando aquele do início, "air keyboard". No final dos 90 eu tive uma banda que um belo dia decidiu tocar essa música e teve um outro belo dia que a gente conseguiu, foi um dia legal.


Secret Service - pra encerrar queria citar essa por uma questão pessoal. Primeiro, pelo nome da banda. É o tipo de nome que eu daria à uma banda. Depois pelo seu maior sucesso Oh Susie. Na época em que tava começando a ser fisgado pelo rock, conseguir informação sobre som era complicado pácas! Vc tinha que torcer pra tocar algo no rádio, torcer pro locutor falar o nome do som e ainda torcer para o nome ser fácil pra vc memorizar; e se vc conseguisse lembrar o nome, torcer pra encontrar alguém que vc pudesse perguntar sobre a nova banda que vc havia descoberto, e torcer pra que essa pessoa tivesse algum K7... era uma epopeia conseguir alguma informação sobre um som há uns 20 anos atrás. Claro, isso dependia também de qual a sua classe social.
   Mas enfim, houve uma vez que meu pai havia comprado um "3 em 1" usado. Ou seja, rádio, toca disco e toca fita no mesmo aparelho - artigo muito cobiçado pelas famílias de então - e com ele vieram alguma fitas usadas. Um dia resolvi dar uma olhada no que tinham nessas fitas. Minhas expectativas em relação a elas se cumpriam a medida que ia as experimentando no aparelho, eram todos de música sertanejas e afins. Mas houve uma que me surpreendeu. Um K7 todo bege, com a fita meia solta dentro, que na primeira música do lado B tinha um som que literalmente me arrepiou. Como a informação na época era tão escassa quanto chuva no Atacama, só anos depois fui descobrir que aquela música era "Oh Susie" da Secret Service, que até hoje curto e escuto.

Mais bandas Suecas - Para o post não se estender muito paro por aqui. Mas existem muitas bandas suecas relevantes no cenário musical internacional e na minha vida. Por exemplo, se vc se considera headbanger (metaleiro) e não conhece bandas como Bathory, Candlemass (foto), Dark Funeral, Katatonia, e etc... meu amigo, vc precisa rever seus conceitos. Nos meus tempos de maldade, eram sons assim que religiosamente um true banger ouvia. 
   E no mundo indie também temos representantes de peso como a The Hives, que produziu um dos maiores clássicos do rock da década passada Hate to Say I Told You So, sonzera! E ainda o trio Peter Bjorn and John que compuseram um outro clássico e mega hit que eu disponibilizo aqui pra encerrarmos:








Confira também o post As bandas alemãs mais ouvidas no mundo. Uma viagem pelos estilos musicais e as bandas alemãs mais importantes de todos os tempos. Confira clicando aqui.










Publicado originalmente no dia 29 de setembro de 2013






Os Americanos

Loading...